domingo, 19 de fevereiro de 2012

Adeus, Mr. Chips - James Hilton - Resenha

Adeus, Mr. Chips é uma novela escrita por James Hilton e foi o livro que lhe rendeu fama mundial. Nesta novela James nos conta a história de um professor de línguas latinas, chamado Mr. Chipping, mais conhecido pela forma um pouco menos formal de Mr. Chips. A história se desenrola entre o período de 1870 e aproximadamente 1932, na ainda tradicional Inglaterra. Mas na verdade a história inicia-se já no presente do personagem em seus últimos tempos de vida, só depois é retoma toda a trajetória do personagem ao longo do tempo desde o seu ingresso como professor na escola Brookfield, fundada ainda no século XVIII.

Nessa novela Hilton mostra com incrível simplicidade a evolução do seu personagem e todas as atribulações que cercaram sua vida, os fatos e atitudes que lhe tornara ícone e figura notável dentro da instituição. Pouco pouco a figura do homem e a de professor respeitável se confundem como partes coesas de um mesmo todo.

Mr. Chips é o exemplo esplendido de que ninguém nasce pronto, mas de que se faz através da convivência com as pessoas, com os acontecimentos que o abalam, mas ao mesmo tempo norteiam a vida, e de que através da contribuição de ambas o caráter e a personalidade são construídas. Para ver isso basta perceber como Chips passa de um homem severo e fortemente conservador a alguém bem humorado ainda que bastante conservador. Uma figura antes de tudo amante de sua profissão, séria e extremamente humana, mas ao mesmo tempo espantosa como a aula que fez questão de não interromper apesar de um bombardeio que ocorria ali mesmo do lado de fora da escola em plena Guerra Mundial. Confira esse trecho:


“E uma vez, certa noite de lua cheia, as sirenas de alarme soaram anunciando um ataque aéreo, quando Chips estava dando sua quarta-classe de latim. Ouviram-se quase instantaneamente os primeiros tiros de canhões e, fora, começaram a cair aqui e ali muitas granadas. Chips teve a impressão de que eles podiam ficar exatamente onde se encontravam, no rés do chão do internato. Edifício de construção sólida, era dos melhores abrigos que Brookfield podia oferecer; e, quanto ao caso de uma granada acertar-lhes em cheio, em tal conjuntura não podiam esperar salvação, estivessem onde estivessem.
Desse modo, continuou Chips com o seu latim, erguendo mais a voz no meio das detonações retumbantes dos canhões e do uivo agudo das granadas anti-aéreas. Alguns dos rapazes estavam nervosos; poucos conseguiam prestar atenção.Chips falou com brandura:
— Pode parecer-lhe, Robertson, neste particular momento da história do mundo — am — que os assuntos de César nas Gálias uns dois mil anos passados — am — sejam de importância um tanto secundária e que — am — a conjugação irregular do verbo tollo seja — am — menos importante ainda.Mas, creia-me, — am — o caso não é realmente esse.
Nesse instante sobreveio uma explosão particularmente forte e muito perto.
— Vocês não podem — prosseguiu Chips — julgar da importância — am — das coisas pelo barulho que elas fazem.Oh, não, valha-nos Deus. — Uma risadinha abafada. — E essas coisas — am — que tiveram importância durante milhares de anos... não vão desaparecer... só... porque algum ProfessorZorrilho... no seu laboratório inventa uma nova espécie de calamidade.
Risinhos reprimidos e nervosos; porque Burrow, o pálido, chupado e fisicamente incapaz professor de química, tinha o apelido de Professor Zorrilho. Outra explosão — ainda mais perto.
— Vamos — am — retomar o trabalho. Se o destino quiser que sejamos em breve — am interrompidos, que nos encontrem pois empenhados em alguma coisa — am — realmente apropriada. Algum de vocês quer analisar?
Maynard, o rechonchudo, intrépido, inteligente e descarado Maynard respondeu:
— Eu, professor.
— Muito bem. Procure a página quarenta e comece na última linha.
As explosões ainda continuavam, ensurdecedoras; o edifício inteiro tremia, como se fosse saltar dos alicerces.Maynard achou a página, que ficava um pouco para a frente, e começou com sua voz estrídula:
— Genus hoc erat pugnae — esta era a espécie de luta— quo se Germani exercuerant — na qual os alemães se empenhavam. Oh, professor, esta é boa, é mesmo muito engraçada, professor, uma das suas melhores pilhérias...
As risadas começaram, e Chips acrescentou:
— Bom — am — vocês podem ver... agora... que essas línguas mortas — am —podem ressuscitar de novo... às vezes... hein? Hein?
Ficaram sabendo depois que haviam caído cinco bombas nos arredores de Brookfield, sendo que a mais próxima delas pouco para fora dos grounds da Escola. Tinham matado nove pessoas.
A história foi contada, recontada e embelecida.




A edição lida está na mesma edição e volume da Seleções do Reader's Digest em que a edição lida de Matrizes de Bravos, da autora Anya Seton se encontra.
42 páginas.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...