quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Crave a Marca – Veronica Roth – Resenha

Por Eric Silva

Nota: todos os termos com números entre colchetes [1] possuem uma nota de rodapé sempre no final da postagem, logo após as mídias, prévias, banners ou postagens relacionadas.

Diga-nos o que achou da resenha nos comentários.



“Sou shotet. Sou tão afiado e frágil quanto vidro quebrado. Conto mentiras melhor do que digo a verdade. Vejo tudo da galáxia e nunca tive um vislumbre dela”.
(Crave a Marca – Veronica Roth)

Nações em guerra, viagens intergalácticas, vários mundos e uma poderosa força que, sempre se fazendo presente, influencia a vida de todos. Pode parecer coisa de Star Wars, mas não é. A resenha de hoje vai falar de Crave a Marca, um dos últimos livros da autora estadunidense Veronica Roth que ficou mundialmente conhecida pela série Divergente. Dessa vez, a aposta da autora é em uma nova duologia onde fantasia e ficção científica se misturam para compor uma trama de luta pela sobrevivência.

Sinopse

Um planeta dividido e influenciado por uma força poderosa e mística, Thuvhe é o lar de dois povos inimigos que disputam o controle do território: shotet e thuvhesitas. Ao longo da história desta disputa ambos os lados tiveram muitas perdas, mas é na última invasão shotet que Akos e sua família tem a vida revirada de ponta-cabeça. Com o pai morto e levado com seu irmão para o território adversário, é na vida de prisioneiro e na amizade improvável com um dos inimigos que o rapaz descobre que não existe lugar para honra na sobrevivência.

Resenha

De antemão gostaria de ressaltar que não li Divergente, e, ainda que eu tenha assistido a todos os filmes da adaptação cinematográfica da série, não considero isso suficiente para tecer comparações, por isso não as farei.

Crave a Marca é o primeiro livro de uma duologia que se ambienta em um planeta dividido por duas potências antagonistas: a nação dos shotet e a dos thuvhesitas. Dois povos muito distintos entre si, como Esparta era de Atenas, e que se encontravam separados por uma grande plantação de capim-pena, uma planta causadora de alucinações que impedia que qualquer um atravessasse para o outro lado ao seu bel-prazer. Isso porém nunca impediu que o lado thuvhesita fosse invadido pelos guerreiros shotet.

Neste universo, onde Thuvhe era só mais um dos vários planetas, cada um dos corpos celestes são influenciados pela força poderosa de um fenômeno natural visível apenas através de um fluxo constante no espaço e que é chamado apenas de “a corrente”. Uma força não só empregada em naves, armas e máquinas como capaz de dotar cada pessoa do sistema solar com um poder singular. Um destes poderes era a capacidade de ver as várias ramificações e possibilidades do futuro, sendo que as poucas pessoas que tinham um futuro imutável, ou melhor, que convergia sempre para um mesmo resultado tantas fossem as variações, eram chamadas de afortunadas, sendo que suas “fortunas” eram guardadas como segredo de Estado.        

É quando o futuro de todos os afortunados é revelado que a vida do thuvhesita Akos Kereseth e sua família vira de ponta a cabeça. Sequestrados por soldados shotet, ele e o irmão são levados para território inimigo e feitos cativos pelo líder shotet, o sádico Ryzek Noavek.

Ali, Akos descobre não só a triste fortuna que o ligava a família Noavek, mas também que sua irmão era a chave para os planos de dominação do ditador Shotet. Cativo, mas treinado militarmente, com o passar dos anos, Akos busca sobreviver e fugir com o irmão consigo, e graças ao seu dom peculiar o rapaz se torna próximo da temida e perigosa Cyra Noavek, a única irmã de Ryzek e única chance de fuga dos irmãos Kereseth.

A primeira coisa que chama a atenção no novo livro de Veronica Roth, que no Brasil foi publicado pela editora Rocco, é sem dúvida a capa com suas marcas irregulares feitas sobre um fundo azul-brilhante e de onde escorre um “sangue” furta-cor. Quem lê o livro logo percebe que cada um dos elementos que estão naquela capa possui um significado na história e não estão ali apenas para serem bonitas. Mas para mim, o que mais chamou a atenção foi o slogan (“não há lugar para honra na sobrevivência”) que em conjunto com o título – propositadamente escrito no imperativo – desperta em que ler aquela sensação de se deparar com alguém de jeito militarizado. Mesmo isso tem significado na história ao apresentar ainda na capa o jeito shotet de ser: autoritário, militar e destemido.

Mas falando um pouco das características gerais do livro e da minha opinião sobre ele, que ressalto de antemão que não são conclusivas, haja vista que é uma série que ainda não li por completo, e nem absolutas e definitivas, porque cada história imprime em cada pessoa uma experiência e opinião diferente. Mas sendo objetivo. Crave a Marca é um livro comum, um tanto destemperado, e que na maior parte do tempo pareceu mais a ambientação[1], ou introdução, como preferirem, para o livro seguinte – um preâmbulo de mais de 400 páginas. Essa é a primeira sensação que tive e que persistiu por muito tempo.

O livro tem tudo para ser bom, e a autora me parece criativa na criação de seus universos, sendo que estes além de bem construídos, não parecem deixar lacunas ou aspectos mal explicados. Isso por si só já é bastante positivo. Mas a história de Crave a Marca, sobretudo, pelos seus personagens e pela pouca mobilidade da narrativa ao longo de seus primeiros 60%, não conseguiu me cativar e me deu essa impressão de uma eterna expectativa para um algo a mais que nunca chegava. Faltou dinamismo. O que temos é um livro formado de pequenos clímax e momentos de tensão que se espalham pela história, mas sem que nada se torne conclusivo ou aponte para a conclusão.

A autora
Se isso não bastasse, dos personagens principais, a única que parece menos apática é Cyra, a maioria dos demais ou nunca se destacam de verdade na trama ou só vão se desenvolver, de fato, com a história já bem desenvolvida. Ao contrário, a moça shotet é guerreira, sarcástica, forte, decidida e com breves momentos de fragilidade que reforçam sua humanidade. Sofre pelas barbaridades a que é forçada fazer por ordem do irmão e suporta com valor as dores sobre-humanas causadas por seu dom que traz dor física não só a ela como a qualquer um que se atreva a tocá-la. Gosto muito de personagens femininas cuja construção desafia o clichê do sexo frágil e isso me fez gostar bastante da princesa shotet.

Ao contrário de Cyra, o seu par, Akos, é pintado em cores mais desbotadas. Ele quer salvar o irmão e a autora pareceu querer desenhá-lo como alguém decidido, determinado, mas não me convenceu. Ele vai ganhar mais força à medida que caminhamos para o desfecho, mas ainda assim não conseguiu conquistar minha atenção. Outros personagens como Teka, que possui um gênio difícil, semelhante ao da protagonista, se destacam por se distanciar da apatia que reconheço na maioria do elenco, mas não ganham muito espaço na história para ter um desenvolvimento completo, mas que provavelmente terão no segundo livro.

Uma coisa curiosa no livro de Veronica é que ela trabalha com dois focos narrativos diferentes. Nos capítulos com o nome de Akos, a narrativa é contada em terceira pessoa. Naqueles com o nome de Cyra, o foco narrativo está em primeira pessoa, sendo ela o narrador personagem. O resultado direto disso é que este personagem ficou melhor caracterizado e mais forte na trama.

Uma referência que muita gente tem encontrado no livro é ao universo dos filmes de Star Wars, porque o conceito da corrente lembra bastante a Força usada pelos mestres jedi da obra de George Lucas, mas tem diferenças bem demarcadas que diluem a referência.

Outra coisa que tem chamado a atenção do pessoal é um suposto “racismo” na construção do universo da história em que os shotet, vistos como bárbaros pelos thuvhesitas, teriam pele morena enquanto os thuvhesitas, vistos como mais “civilizados” teriam pele mais clara. Primeiro acho que o pessoal não atentou para algumas passagens como estas:

Tudo que eu sabia sobe o povo thuvhesita – além do fato de serem nossos inimigos – era que tinham a pele fina, fácil de perfurar com uma lâmina, e se refestelavam nas flores-do-gelo, a seiva vital de sua economia”.

Muitos shotet tinham sangue misturado, então não era surpreendente – minha pele tinha um tom amarronzado, quase dourado sob certas luzes”.

Como meu livro é digital pude pesquisar todas as vezes em que o termo “pele” foi citado e em nenhuma se afirma que os thuvhesitas eram brancos e os shotet negros, mas que a pele dos primeiros eram sensíveis (fina), algo ruim quando se é um guerreiro, o que os shotet viam como desvantagem e até certo preconceito. Porém pele fina não é sinônimo de pele branca, ainda mais quando se vem de uma região gelada do planeta onde se é pouco exposto ao sol. O irmão de Akos, Eijeh, por exemplo, é descrito como tendo “pele marrom clara, como a terra leitosa do planeta Zold”. Se há alguma referência racista eu não a encontrei. O que eu encontrei foi miscigenação, misturas de linhagens e raças, porém citada apenas quanto aos shotet, porque todas as referências vem dos capítulos de Cyra. E só para encerrar esse assunto, tudo na narrativa indica que Akos tem ascendência shotet e ele é o único descrito realmente como branco.

Não li Divergente e depois de conhecer o filme e sobretudo o último (e pior deles) não tenho desejo de tentar. Não porque ache que foi de todo ruim, não, o final é meio decepcionante, mas o universo criado é singular e interessante. Confesso, inclusive, que o final do segundo filme e o iniciozinho do terceiro me pegaram de surpresa, mas não sinto vontade de ir aos livros da série porque tenho dezenas de outros livros bastante promissores na lista de leitura que quero muito ler, e cujas histórias ainda desconheço. Por isso, quis ler Crave a Marca quando ele ainda era um mistério. Assim conheceria o estilo da autora sem as mil referências da obra vinda dos fãs ou de adaptações. É chato ler um livro que você já conhece o final. É preciso estar muito apaixonado para isso.

Pretendo ler a continuação de Crave a Marca porque já no final da história a autora solta algumas revelações (uma delas bem inesperada) e que podem mudar o curso da narrativa no futuro, mas espero que o próximo seja mais dinâmico e que os personagens tenham uma construção mais sólida e menos apática.

A edição lida é digital, da Editora Rocco, do ano de 2017. A versão impressa possui 480 páginas. Abaixo você pode conferir uma prévia do livro disponível no Google Books.

Prévia do Google Books



Conheça nossas comunidades sobre literatura no Google Plus e no Facebook
http://conhecertudoemais.blogspot.com/2016/12/as-comunidades-do-conhecer-tudo.html





[1] Ambientar significa “adequar(-se), adaptar(-se) a um ambiente” ou, então, “ter a ação passada em; desenrolar-se” (Houaiss, 2001), mas costumo usar o termo ambientação de forma indiscriminada em minhas resenhas. Todavia, sempre uso o termo com o significado de preparação ou apresentação, ou seja, o processo em que o autor apresenta todo o universo de sua narrativa desde personagens, a cenários, a problemática, e etc. O uso do termo pode até ser pouco adequado, mas já se incorporou e tomou essa significação em minha retórica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...