terça-feira, 17 de outubro de 2017

Quarto de Despejo: Diário de uma favelada – Carolina Maria de Jesus - Resenha

Por Eric Silva

Nota: todos os termos com números entre colchetes [1] possuem uma nota de rodapé sempre no final da postagem, logo após as mídias, prévias, banners ou postagens relacionadas.
Diga-nos o que achou da resenha nos comentários.

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

(O Bicho, poema de Manuel Bandeira)


Nono livro da campanha do #AnoDoBrasil, Quarto de Despejo, marcou na década de 1960 a estreia da escritora brasileira Carolina Maria de Jesus. Nessa obra forte e bastante peculiar Carolina transcreve através de seus diários o cotidiano sofrido e a miséria a que esteve submetida durante os anos em que vivera com seus três filhos na extinta favela do Canindé, em São Paulo. Com a crueza de quem viveu uma realidade de fome e desamparo, a autora descreve as relações conflituosas empreendidas pelos moradores da favela, os desafios para sustentar seus filhos com o trabalho de catadora de material reciclável e as mazelas vividas pelos mais pobres na capital paulista, deixando para as gerações posteriores um testemunho sobre o sofrimento submetidos aos muitos brasileiros que vivem na pobreza em decorrência da profunda desigualdade social instalada no nosso país.

Confira a resenha do nono livro da campanha anual de literatura e que nesse ano homenageia a literatura do Brasil.

Sinopse

Compilação dos diários de Carolina Maria de Jesus, uma catadora de materiais descartáveis, Quarto de Despejo relata o duro cotidiano da favela do Canindé nos finais da década de 1950. Ambiente marcado pela extrema pobreza, o Canindé crescia às margens do Tietê com a chegada de nordestinos, sem-tetos, e toda a sorte de pessoas que aumentavam o número de barrocões e as fileiras de desvalidos vivendo em condições subumanas na capital paulista. Entre eles vivia a mineira Carolina com seus três filhos pequenos.

Negra, mãe solteira e desempregada, Carolina sobrevivia enfrentando a fome com o parco dinheiro que conseguia catando papel e “ferros” para vender. Nessa vida sofrida que muito a amargurava, seu único consolo eram as palavras que imprimia no papel relatando sua agonia e refletindo a injustiça da vida e dos homens. Seria também através das palavras que obteria a sua liberdade, ainda que momentânea.  Dos cadernos catados no lixo nasceria o diário que projetaria Carolina como uma das mais importantes escritora negras da literatura brasileira, injustiçada até o fim, mas que passaria a ser conhecida em todo o mundo através de seu testemunho e exemplo.

Resenha

A autora
Falar desse livro sem antes explicar que tipo de mulher foi Carolina é impossível e, até certa medida, incoerente, pois, sendo a obra o "Diário de uma Favelada", ela é a escritora e a protagonista. Mas mais do que esse duplo papel na narrativa, Carolina foi na vida a figura icônica que representa o despossuído, o faminto, a mulher negra, a mãe chefe de família e o indivíduo que vive à margem da sociedade, ou seja no "Quarto de Despejo".

Carolina Maria de Jesus nasceu no município mineiro de Sacramento em 14 de março de 1914. Estudou apenas as séries iniciais por pouco mais de dois anos nos quais aprendeu a ler e escrever.
Em 1947, com pouco mais de trinta anos de idade, mudou-se para São Paulo, onde, por força da necessidade, tornou-se moradora da extinta favela do Canindé, localizada na zona norte da cidade às margens do rio Tietê.

Para sobreviver e alimentar seus três filhos, João José, José Carlos e Vera Eunice, Carolina trabalhava como catadora de papel, metais e outros materiais que vendia em depósitos de produtos recicláveis da cidade. Por vezes comia restos de alimentos descartados no lixo das casas e também dos dejetos retirava os cadernos onde registrava, sob a forma de diário, não só o cotidiano da comunidade em que vivia, como também poemas e canções que compunha.

No Canindé era odiada e temida pelas pessoas da favela pois em suas discussões com os vizinhos sempre ameaçava de colocá-los no livro que escrevia. Após uma destas discussão conheceu Audálio Dantas, um jornalista que em 1958 visitava a comunidade para escrever uma reportagem, mas que se interessando pelos escritos de Carolina ajudou-a a levar à público seu livro “Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada”, publicado em 1960 pela Editora Francisco Alves.

Carolina Maria de Jesus e Audálio Dantas na Favela do Canindé.
São Paulo, 1961
Quarto de Despejo vendeu 100 mil exemplares e foi traduzido para 13 idiomas em mais de 40 países, tornando Carolina em uma das primeiras e mais importantes escritoras negras do Brasil[1]. Com o dinheiro obtido com a vendo dos direitos de seu primeiro livro, comprou uma casa de alvenaria e saiu da favela, contudo suas obras posteriores não alcançaram o sucesso de seu livro de estreia e Carolina voltou a pobreza, falecendo em 13 de fevereiro de 1977, com 62 anos.

Na visão do jornalista que a descobriu a escritora foi transformada “em artigo de consumo e, em certo sentido, num bicho estranho que se exibia como uma excitante curiosidade". Segundo texto biográfico da Fundação Palmares[2]Carolina sempre foi muito combativa, por isso era mal vista pelos políticos de esquerda e direita quando começou a participar de eventos em função do sucesso de seu livro. Por não agradar a elite financeira e política da época com seu discurso, acabou caindo no ostracismo e viveu de forma bem humilde até os momentos finais de sua vida”.

Ainda segundo a Fundação Palmares, mesmo hoje, grande parte da obra da escritora continua inédita e é composta não apenas pelos diários como por romances, textos curtos, poemas, peças de teatro e letras para marchas de carnaval.

Carolina também chegou a produzir um disco com o mesmo título de sua primeira obra onde interpretou canções de sua autoria. No final dessa postagem você pode conferir um vídeo com a reprodução de uma das canções da autora, O Pobre e o Rico.

O livro

Quarto de Despejo é a compilação dos diários de 1955, 1958 e 1959 quase sem nenhuma alteração do texto original. Por isso esse é um livro carregado pela oralidade de Carolina, com erros ortográficos e de concordância que preservaram a forma estética original do seu discurso. Contudo, pela extensão muito grande de seus diários – quase mil páginas – e seu detalhamento, Audálio, então responsável pela organização dos escritos de Carolina, levou meses para selecionar os trechos e diários mais significativos para compor o livro final. O resultado é um conjunto de enxertos que seguem uma linha cronológica e dão conta de apresentar as idas e vindas na vida de Carolina e de seus filhos.

Na escrita de seus diários, Carolina vai desfiando o cotidiano da favela do Canindé, as brigas frequentes e enfrentamentos entre os vizinhos, como as crianças cresciam em um espaço cheio de devassidão e violência. Por isso, o espaço central da narrativa de Carolina é sem dúvida a favela, cuja imagem a autora pinta como um lugar onde impera o pior dos cenários: a precariedade, a carência, a depravação, a violência e as intrigas. Uma terra sem lei e onde falta tudo.

Entre uma visão crítica, dura e até mesmo impregnada de aversão e amargura em relação a realidade que vivia no Canindé, Carolina vai narrando as relações e intrigas entre os sujeitos com quem convivia e o seu sofrimento e desgosto por ser da e estar na favela. Assim, criticamente, e sob a ótica de alguém que queria, através das suas ações e do seu modo de pensar, diferenciar-se dos demais, ela vai contando sobre as brigas, as tentativas de homicídio, os casos de infidelidade, pedofilia e incesto que aconteciam na favela. Descreve como ela se envolvia nas brigas de seus vizinhos na tentativa de corrigir as injustiças que presenciava, como enfrentava aqueles que agiam com desafeto para com ela e seus filhos e como com o pouco que tinha ainda ajudava outros que com ela buscavam ter uma relação de camaradagem.

O livro conta também como pelo seu jeito de ser e agir era hostilizada pelas mulheres que ela criticava, fala sobre as implicâncias e perseguições sofridas por seus filhos que muitas vezes eram vítimas de maus-tratos por parte dos moradores e até mesmo de como um de seus meninos chegou a ser acusado de assediar uma garota menor do que ele.

Carolina Maria de Jesus, Audálio Dantas e Ruth de Souza na Favela do Canindé.
Quarto de Despejo é um livro que impressiona pela descrição de um ambiente devasso e inculto, mas que não foi capaz de corromper ou abalar os princípios da autora. Ao contrário, Carolina busca manter uma retidão de caráter e tinha nos livros e nas palavras o seu refúgio preferido. É uma história real que comprova a falsidade da tese (que contraditoriamente a autora em muitas passagens defende) de que o meio determina o homem.

Na minha opinião, e o livro me dá substrato para crê-lo, o homem é influência do meio somente quando este não teve em sua formação, o que a sociologia chama de socialização, referências que o reconduzissem seu caráter e moral para um caminho adverso ao do entorno. Carolina teve da sua mãe e dos livros que lia a formação de um caráter crítico, independente, honesto e sensato, mesmo tendo ido viver em um ambiente que ela descreve como marcado pela discórdia, embriaguez, violência e promiscuidade. Enfim, ela não se permite igualar-se.

Por outro lado o livro também nos permite ver situações completamente opostas e que parecem confirmar a tese, e nessa dubiedade nos mostra como é assustadora a fome e a pobreza extrema que por vezes desumaniza as pessoas. Tem-se, aí, o palco e o cenário para a inveja de alguém que foi favorecido com algo (um simples pedaço de pão, alguns cobres), para o desespero por qualquer esmola, para a desunião dentro do lar, para a trapaça, o desafeto, o alcoolismo, a violência e a marginalidade.

No entanto, a narrativa do diário não se restringe a favela e descreve igualmente as dificuldades de Carolina para alimentar sua família como mãe solteira e da sua convicção em não depender de homem algum. É particularmente comovente o seu desespero e amargura quando os filhos reclamavam da fome e ela muito pouco tinha a oferecer para saciá-los, o que levou-a a pensar por diversas vezes em entregar seus filhos à assistência social.

Mas a abordagem da autora é bastante globalizada e oscilante indo da sua realidade cotidiana ao o que acontecia no Brasil e no Mundo. Assim, com seu olhar singelo e pouco instruído, mas sempre muito sagaz e atento ela vai desfiando de forma crítica os jogos políticos da época, as desventuras do trabalho como catadora e os horrores que presenciava, a exemplo da morte de um rapaz que tendo comido restos do lixo amanheceu morto no dia seguinte (falarei mais sobre esse caso na próxima secção).

Fala de como o preço dos alimentos se mantinham altíssimos e de como era imenso o número de desvalidos nas filas de distribuição de comida quando algum político, no período eleitoral, resolvia distribuir algo aos necessitados, além de citar acontecimentos internacionais de grande monta e também do cenário político brasileiro o que, por sua vez, exigiu diversas intervenções do editor através de notas de rodapé que contextualizavam as referências da escritora. O resultado é a denúncia e um panorama da desigualdade e segregação social no Brasil do final dos anos 50, do cenário político da época, e também de fatos que se desenrolavam no exterior, o que demonstra o quanto bem informada era Carolina, uma simples catadora de papel que vagava pelas ruas de São Paulo em busca do seu sustento.

Ante aquela realidade, a visão de mundo da autora não é romantizada e muito pouco esperançosa, apesar de ainda ali existir uma fé tímida na mudança, nutrido mais pelo desejo inabalável de mudar do que pela crença infundada na transformação de sua vida. De todo a todo, uma mulher realista, inteligente, politizada, destemida e determinada, ainda que fossem poucas as suas ferramentas para lutar.

Por isso, a narrativa do diário é algo que atravessar as mais diferentes dimensões da vida humana: a luta pela sobrevivência, a criticidade, a poesia, o amor, a intriga, a injustiça, a maternidade, a traição, a bondade e a caridade, a desilusão. Todos esses sentimentos e características humanos têm lugar no diário de Carolina eles surgem e se mesclam na vida da autora e das pessoas que a cercam.

Quarto de Despejo: a metáfora que dá título ao livro

Em Quarto de Despejo foi preservado muito da linguagem e escrita original da autora com quase todas imprecisões gramaticais cometidas pela autora. Desse modo este é um livro que só por sua linguagem já nos diz muito sobre a autora e sua origem social. Contudo essa mesma linguagem marcada pela oralidade e o coloquialismo também traz uma gama de palavras, expressões e observações que ainda revelam uma leitora assídua e muito bem informada, ainda que nem sempre precisa.

Mesmo se tratando da compilação dos diários da autora, mais do que um texto pessoal e descritivo ele é também, por vezes, bastante metafórico, sendo que a principal, mais frequente e inquietante de suas metáforas é aquela que dá título ao livro: a metáfora do quarto de despejo.

Nesta metáfora Carolina compara as diferentes regiões de São Paulo com as partes de uma casa. A parte nobre seria a sala de visita, bonita e arrumada – comparação que ela estende a prefeitura municipal –, enquanto a favela seria o quarto de despejo­, aquele quartinho no fundo da casa, algumas vezes em um ponto afastado do quintal, desarrumado e esquecido, onde se coloca tudo o que é velho, quebrado ou sem utilidade, e que por deixar feio o ambiente (a sala principal) é tirado do campo de visão de quem é de fora (as visitas):

“As oito e meia da noite eu já estava na favela respirando o odor dos excrementos: que mescla com o barro podre. Quando estou na cidade tenho a impressão que estou na sala de visita com seus lustres de cristais, seus tapetes de viludos, almofadas de sitim. E quando estou na favela tenho a impressão que sou um objeto fora de uso, digno de estar num quarto de despejo”.

“... Eu classifico São Paulo assim: O Palacio, é a sala de visita. A Prefeitura é a sala de jantar e a cidade é o jardim. E a favela é o quintal onde jogam os lixos”.

“Abri a janela e vi as mulheres que passam rápidas com seus agasalhos descorados e gastos pelo tempo. Daqui a uns tempos estes palitol que elas ganharam de outras e que de há muito devia estar num museu, vão ser substituidos por outros. E os politicos que há de nos dar. Devo incluir-me, porque eu tambem sou faveada. Sou rebotalho. Estou no quarto de despejo, e o que está no quarto de despejo ou queima-se ou joga-se no lixo”.

Logo, o que se entende dessa singela mas inteligente analogia entre a favela, os bairros com infraestrutura adequada e as partes da casa, é que são as pessoas extremamente pobres e sem instrução os trastes velhos e feios, o “rebotalho” que deve ser descartado, escondido, jogado a margem, para que se higienize a sala de estar ou de visitas. Só se vai lá quando se tem um interesse – é o caso dos políticos – e se o que está lá já não possui serventia, “queima-se ou joga-se no lixo”, ou seja remove-se.

Quarto de Despejo ilustra muito bem a realidade que fez Carolina denominar a favela com esse termo ao demonstrar na narração do cotidiano a atitude dos políticos em relação a comunidade, a opinião dos moradores dos bairros mais próximos da favela que consideravam os favelados como indesejados, e, sobretudo, na precariedade da vida daquelas pessoas. Assim o livro está povoado de imagens tristes e até revoltantes, mas o que mais me chamou a atenção foi a morte de um rapaz que comia no lixo e que me fez lembrar do O Bicho de Manuel Bandeira, o poema da epígrafe dessa resenha. Veja o que aconteceu:

No dia 29 de maio de 1958, Carolina relembra um “pretinho bonitinho” que como ela vendia objetos de ferro catados no lixo. Ela conta que um dia encontrou o “pretinho” em um lixão, onde era comum jogarem carne no lixo. Naquele dia rapaz escolhia alguns pedaços espalhados pelo lixo e que ele pretendia comer, chegou a dar alguns a ela que aceitou “para não maguá-lo”. Ela tenta convencê-lo a não comer a carne visivelmente deteriorada, mas ele não a escuta e devido a fome muito grande acende um fogo e assa a carne. Incapaz de conter a fome acaba só esquentando e comendo. Para não presenciar aquela cena, Carolina vai embora e só recebe a notícia no dia seguinte da morte do rapaz. O restante é até difícil de escrever:

“No outro dia encontraram o pretinho morto. Os dedos do seu pé abriram. O espaço era de vinte centímetros. Ele aumentou-se como se fosse de borracha. Os dedos do pé parecia leque. Não trazia documentos. Foi sepultado como um qualquer. Ninguem procurou saber seu nome. Marginal não tem nome”.

Em O Bicho, Bandeira relata com indignação o dia em que viu um homem se alimentando dos restos jogados no lixo. No ápice de sua surpresa o poeta confunde com um animal aquele ser humano que “Quando achava alguma coisa,/Não examinava nem cheirava:/Engolia com voracidade”. De forma muito marcante o relato de Carolina faz reviver “o bicho” na figura do “Pretinho”, meio que lhe dá forma, sem porém lhe dar nome, pois assim como o Bicho, Pretinho não tem nome.

O relato de Carolina de certa forma – mas sem que haja intertextualidade, ressalto porém – transporta a poesia de volta a realidade concreta de onde foi tirada, e mesmo ela que já estava habituada a miséria fica assombrada diante daquela cena. Estarrecimento que, assim como acontece com o poeta, se converte em indignação. Por isso essa passagem do diário me fez recordar Bandeira e seu poema.

A cena da morte do “Pretinho” é com certeza a mais forte de um livro que no todo é impressionante, o que justifica o seu sucesso na época de sua publicação.

Através da descrição da realidade marginal da população brasileira submetida a extrema pobreza, Quarto de despejo faz uma denúncia social acercadas profundas desigualdades sociais que marcam desde muito tempo o cenário econômico e social do nosso país. É um tapa na cara e um retrato fidedigno de um país marcado pela injustiça social. O retrato de um Brasil que ainda existe e de brasileiros que vivem em condições subumanas. Não há como ler este livro e não se sentir despedaçado depois. Não há como sair deste livro sendo o mesmo e quando conhecemos o depois de Carolina, o insucesso de sua carreira, temos a certeza de como o nosso sistema social é injusto.

A edição lida é da Editora Ática, do ano de 2007 e possui 192 páginas.

Vídeo








[1] https://educacao.uol.com.br/biografias/carolina-maria-de-jesus.htm
[2] http://www.palmares.gov.br/?p=40983.

2 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Últimas Postagens